A bela história de Lico, Lucas e Neto

Quando vi o trailer de A Boca Mágica fiquei encantado com as ilustrações e, assim que foi lançado, comprei o livro. Achei a história super interessante, as ilustrações eram ainda mais bonitas do que eu imaginava, mas faltava alguma coisa…

Na ultima quarta-feira (06) ocorreu o Dia da Saúde Bucal na minha faculdade, quando crianças de uma creche aqui de São Paulo, visitam a nossa clínica e passam uma tarde conosco. Passamos vídeos, ensinamos escovação, fazemos profilaxia e depois ficamos brincando e, principalmente, aprendendo com os pequenos. E foi nesse contexto que vi o que faltava pra eu conhecer o livro A Boca Mágica por completo.

 

 

Esse é Lucas, meu grande pequeno paciente. Ele tem 5 anos, mora “ali”, gosta do desenho do Ben 10 (mas não tem nada contra o pica-pau) e estava morrendo de sono, porque ficou até tarde vendo a novela com a mãe. E foi esse brilhante jovem o responsável pelo meu aprendizado do dia. Perguntei:
    – Lucas, você gosta de ler? Espera, você sabe ler? Você gosta de livro? – realmente eu não fazia ideia de como iniciar essa conversa literária.
– É, eu não sei ler, mas minha mãe lê pra mim. – mais esperto que eu, Lucas conseguiu estabelecer contato.
    E foi nesse momento que tirei da minha mochila o livro. Lucas soltou o lápis e o desenho que estava pintando, pegou o livro com ar de espanto, olhou pra capa por uns 5 segundos sem falar nada. Apenas olhava, sem demonstrar nenhum interesse, avaliava calmamente. Um daqueles clássicos momentos em que prendemos a respiração de tão tensos que ficamos e só voltamos a respirar quando ele fala:
    – Tio, lê pra mim.

– Claro.

Comecei a contar a história de Lico e seu doloroso dente. A ida ao dentista, a boca, os dentes falando com ele. Lucas ficou inconformado:
    – Tio, o Ácido X mata o dente?
– Ele primeiro machuca o dente Lucas, e vai machucando aos poucos, e se o dono do dente não fizer nada, o ácido X mata o dente.
Mais um momento de silêncio. Lucas pensou, pensou e disse:
– Mas o Ácido X não vai matar meu dente não né, tio?
– Você tem cuidado do seu dente direitinho? Escovado, deixando-o bem limpo, sem sujeira?
    Espantado Lucas responde:
    – Tenho, tenho, tenho sim, tio.
    – Ah, então o Ácido X não vai poder fazer nada com seu dente! Você é um rapaz responsável, cuida direitinho do seu dente, não?
Continuamos a história e novas perguntas surgiram:
    – Tio, meu dente de leite morreu por causa do ácido X ? Por isso que ele caiu?

– Dente sem alma? Ele morreu também? Foi o ácido X?
– Tio, eu vou ter que colocar um dente sem alma aqui (apontando pra janelinha nos incisivos)?
Perguntas feitas, respostas dadas e a história chega ao fim. Fechei o livro e olhei pro Lucas. Lá estava ele: sério, pensativo, olhando para o livro fechado. Realmente, esse pequeno sabe fazer uma pausa dramática como ninguém. E, finalmente é o momento do meu aprendizado. Ele olha pra mim, sorri e diz:
    – Gostei, tio!
Era isso que faltava. Por mais que eu tenha me encantado com o A Boca Mágica, por mais que tenha lido várias vezes, buscando avaliar cada detalhe, eu ainda não tinha visto o livro pelo olhar de uma criança. Ver a empolgação de Lucas com a história, as dúvidas que surgiam e as perguntas que ele fazia, a revolta com a morte dos dentes e a preocupação com os próprios dentes. Tudo isso me encantou muito, me encantou mais do que o livro, mais que as ilustrações e a história do Lico.
    E é por isso que estou aqui, dando os Parabéns ao Ailton por conseguir escrever duas histórias em A Boca Mágica. A história do Lico e a história do Lucas. E sei que será assim, cada vez que eu ler essa história para uma criança sempre terá uma nova história sendo contada. Obrigado por proporcionar tantas emoções e um aprendizado maravilhoso.


Neto Miná, baiano, há um ano e meio em São Paulo, onde cursa odontologia na Universidade Paulista, UNIP. Apaixonado por saúde coletiva, voluntário do Banco de Dentes Humanos e estagiário do Ortoblog.

Siga A Boca Magica no Twitter. Clique aqui.

close

Receba as novidades do blog

10 Responses

  1. Thaís Duque

    Meu inspirador! Hahaha

  2. Silvia Azevedo

    Que linda história! Daria um livro… rs!

  3. daiane

    Ah,eu amei a história! Muitas vezes as crianças nos ensinam a ter um olhar diferente,sem maldade,com inocência e pureza.
    Parabéns Neto,vc conseguiu ter esse olhar e nos transmitir.

  4. Thais

    Parabéns Neto…achei linda a história.

  5. Neto Miná

    Obrigado pela análise Leo, a opinião do chefe é sempre bem vinda. rs.
    Quanto a ser um discípulo do grande Tio Dentista, eu não sei. Minha paixão maior é saúde pública, e odontologia preventiva e odontopediatria formam um belo casal, não é mesmo?
    Até então só conhecio a odontopediatria trabalhando prevenção e promoção de saúde. Vamos ver se me identifico com a parte clinica também. Quem sabe.

    Obrigado a todos pelas belas palavras.

  6. Leo Augusto

    Texto bem escrito, elegante e sensível!
    Uma história bonita e tocante!

    Ainda bem que o Neto Miná é 'estagiário' no OrtoBlog

    Parabéns!

    PS. Será que está surgindo um discíplo para o Tio Gustavo

  7. ~{★daniєlvictσя}

    Que lindo, Neto! E que bela forma de induzir a criança à leitura. Garanto que ele vai passar a "ler" com mais frequência, agora. rs
    Parabéns! (:

  8. kaau

    que historia mais linda *-*

  9. Babi Hafner

    ownn *-* muito linda a história. adoreeei!

  10. Thaís Duque

    Mas o Neto é um odontopediatra nato mesmo hein…
    Adorei a história Neto, me emocionei!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + dezenove =